Comunicado de imprensa 1 de maio

Para lançamento imediato. 

1 de maio de 2021, Lisboa, Portugal.

Sociedade civil portuguesa mobiliza-se contra o acordo comercial UE-Mercosul e apela a que os ministros se posicionem contra o acordo, solicitando uma audiência para apresentar as suas preocupações. 

A Rede portuguesa Stop UE-Mercosul entregou no dia 29 de abril, no Palácio de São Bento 3 cartas abertas dirigidas a António Costa, Primeiro Ministro, a Augusto Santos Silva, Ministro dos Negócios Estrangeiros, e a Ana Paula Zacarias, Secretária de Estado dos Assuntos Europeus demonstrando as suas preocupações a respeito do Acordo UE-Mercosul e solicitando uma reunião para apresentar e discutir a posição do governo português relativamente a este assunto. 

Na carta aberta a Rede demonstra preocupações com o atual governo brasileiro liderado por Jair Bolsonaro, um presidente que já demonstrou diversas vezes interesse em explorar os recursos da floresta Amazónica. “Por saberem que este acordo vai estimular ainda mais estes ataques, os povos indígenas têm apelado à rejeição deste acordo comercial. Em vez de negociar com alguém com duas queixas no TPI, o governo português deveria ouvir a sociedade civil de ambos os lados do Atlântico, nem os portugueses nem os brasileiros querem ser cúmplices dos crimes de Jair Bolsonaro.” – reforçam na carta aberta enviada aos ministros. 

A Rede evidencia nestas cartas abertas que “Este acordo vai estimular a desflorestação, com a devastação de ecossistemas, a destruição irreversível da biodiversidade e a expropriação violenta dos povos indígenas que lhe está subjacente. Além disso, irá aumentar significativamente as emissões de gases causadores de efeito de estufa, não só devido à desflorestação, mas também devido à redução de taxas aduaneiras associadas aos combustíveis fósseis (nomeadamente o gás natural cuja taxa é reduzida de 5% para 0%); e devido ao aumento do volume de bens transportados. Diversos estudos promovidos por associações e até governos, como o Francês, fundamentam estas afirmações.”

No passado dia 29 de abril, a Rede levou a cabo um protesto na Praça do Comércio apelando ao fim do Acordo. Esta ação envolveu a apresentação da mensagem “STOP UE-Mercosul” escrita ao longo de uma extensão de 125 metros e um conjunto de sinalizadores de fumo simbolizando a floresta Amazónica em chamas.

A Rede STOP UE-Mercosul, composta por 25 colectivos portugueses tais como a Greve Climática Estudantil, a Quercus e o Coletivo Andorinha, faz parte de uma aliança internacional com mais de 450 organizações que lutam contra a ratificação do acordo. 

Podem consultar o conteúdo total das cartas abertas enviadas aqui.

Rede Stop UE-Mercosul – https://stopuemercosul.pt/

image
https://stopuemercosul.pt/wp-content/themes/hazel/
https://stopuemercosul.pt/
#c1c1c1
style1
paged
Loading posts...
/home/restaur1/public_html/stopuemercosul.pt/
#
on
none
loading
#
Sort Gallery
on
yes
yes
off
off
off

stopuemercosul.pt